Search
  • Isabela França

Paraguai, kibe e minha avó

Updated: Jun 7

O ano era 1999, meados de março. Almoçámos no apartamento de minha avó e ela, como quem não quer nada, pergunta se sabíamos de um bom imóvel para alugar para um amigo que viria do Paraguai passar uma temporada no Brasil. Ninguém deu muita bola para o assunto e eu passei a ela o contato de um corretor de imóveis. Do Paraguai, onde nossa matriarca sempre teve fortes relações de amizade, tínhamos poucas notícias, pois já havia alguns anos que as viagens dela para lá escasseavam devido à idade.

Na primeira ou segunda semana de abril, chego para mais um almoço de família e entro, como de costume, sem bater. Dou bom dia ao senhor que está na mesa com a caixa de ferramentas a mexer num pé de abajur desmontado. Na cozinha, minha avó de quimono de seda e turbante frita seus maravilhosos kibes.

- Quem é? Sussurro num beijo.

- O Raul. Ela me responde em voz alta, como se fosse óbvio.

- Que Raul?

- Cubas, o presidente do Paraguai.

Desde 30 de março o ex-presidente do Paraguai Raul Cubas estava exilado em Balneário Camboriú, com a família, conforme noticiado internacionalmente. Chocada, pergunto que diabos o presidente do Paraguai fazia consertando o abajur de minha avó.

- Ora, minha filha, ele é engenheiro eletricista! Já consertou o chuveiro de hóspedes para tomar banho.

Assim nascia uma agradável amizade de todos nós (já que minha avó era amiga deles há muito mais tempo do que podíamos supor) com a família Cubas, que passou cerca de quatro anos no Brasil. A presença de Raul e Mirtha Cubas no meu casamento, numa fazenda em General Carneiro, exigiu uma logística imensa na contratação de uma equipe de segurança privada. Boatos diziam que ele andava com uma maleta com alguns milhões de dólares, para o caso de precisar dar no pé abruptamente.

Dono de um grande senso de humor, o ex-presidente, engenheiro eletricista formado pela Universidade do Rio de Janeiro, estava sorridente, como registra esta foto de Kraw Penas em que aparece o casal participando da minha chuva de arroz. Antes de instalar-se num apartamento na Rua Visconde de Guarapuava, em Curitiba, Cubas passou um bom tempo na casa de minha avó e, nas horas vagas, deixou a elétrica em dia.


304 views