Search
  • Marcos Villanova

Matou o trabalho e foi ao cinema

(O autor do texto abaixo é o Evandro Barreto, um dos integrantes do time do branca7leone.)


(O título remete a Julio Bressane. É dele um dos filmes mais instigantes do cinema novo brasileiro: “Matou a família e foi ao cinema”).

Nada como um dia útil nas sessões das duas dos cinemas de bairro do século passado! Você, que se fosse uma pessoa séria deveria estar no escritório, se culpa só um pouco por se sentir tão bem.

À sua volta, esparsas cadeiras ocupadas: aposentados, viúvas, estudantes matando aulas, casais furtivos. O arco de neon que emoldura a tela alterna cores, enquanto as luzes da sala deslizam para a escuridão. Três pancadas de gongo interrompem o silêncio cúmplice e avisam que a festa vai começar, logo que a cortina se abrir por completo. Você, que odeia a poluição audiovisual das pipocas, chupa drops, talvez de anis, como recomenda Rita Lee.

Jornal da tela: políticos jogam no chão pedras fundamentais de obras que nunca ficarão prontas, a miss Brasil do ano mais uma vez quase ganhou o título universal e você se lembra de Rubem Braga: “Ser jurado em concurso de miss é escolher mulher pros outros”. Em compensação, tem Garrincha na reportagem sobre futebol. Que bonito é...

No trêiler, matar ou morrer. Kate Jurado ama Gary Cooper, que ama Grace Kelly, que ama Deus sobre todas as coisas, enquanto a quadrilha não chega. Você tenta fumar escondido, mas a fumaça atrai o lanterninha e o jeito é pisar no cigarro antes do flagrante.

Prato principal: filme inglês, qualquer um. Mesmo que o enredo não seja memorável, a certeza de que a fotografia e as interpretações serão . No preto-e-branco do orçamento modesto, cabem todos os tons da vida. E o mordomo que abre a porta é melhor do que o da rainha.

The end: abrem-se as portas para o Leblon ensolarado e você se lembra de que é dia. Sai ruminando a última cena, com a desculpa já pronta para dar na empresa. “Estive reunido com um diretor que quero contratar para o nosso próximo comercial. O nome dele é David Lean”.

11 views