Search
  • ernanibuchmann

Expulsão instantânea






Nos tempos acadêmicos, fui inscrito no time de futebol da Faculdade de Direito da UFPR para os Jogos dos Calouros. Iríamos estrear contra Educação Física, no estádio do Palestra Itália, no Tarumã. O árbitro era também professor do Colégio Estadual, o Pinheiro. Já me conhecia, conversávamos sempre durante as aulas de ginástica.

Fiquei no banco até o início do segundo tempo, quando me mandaram entrar. Escanteio para os físicos. O líder do time era Munir Calluf, coxa-branca, empresário, já passado dos 30 anos, que havia sido responsável por revelar diversos craques no extinto Britânia.

Munir era um gentleman, mas dentro de campo, um chato. Antes do escanteio ser cobrado já estava puxando minha camisa, segurando meu braço. Dei um safanão na primeira vez, mas ele continuou a me agarrar. Então fiz aquilo que julguei ser o correto, talvez em tom muito mais alto que o recomendável:

- Vai t**** no c*, Munir!

Priiiiiiiiii, apitou o Pinheiro.

- Expulso, está expulso!

Xinguei também o árbitro, fui expulso mais uma vez. Estava saindo de campo quando olhei para trás. Os jogadores dos dois times estavam cercando o juiz, Munir à frente:

- Não faz isso, Pinheiro. Ele é inexperiente, deixa o rapaz jogar.

Pinheiro achou os pedidos razoáveis. Apitou de novo e me mandou voltar.

Não adiantou nada, perdemos de 3 x 0. Mas fiquei amigo do Munir Calluf até ele morrer. Do Pinheiro, só lembro que apitou jogos do Campeonato Paranaense. Nenhum dos dois deve ter vivido outro episódio como aquele.

5 views